Conheça as deliberações do Conselho no último dia de Reunião Ordinária

           

272ª Reunião Ordinária do CNAS

Normativas aprovadas pelo CNAS serão publicadas no Diário Oficial da União.

          Grupo de Trabalho para construção da proposta de Tipificação Nacional do Primeira Infância no Sistema Único de Assistência Social – SUAS é criado pelo Conselho Nacional de Assistência Social. O grupo será composto por 3 representantes do governo e 3 da sociedade civil e terá o prazo de 60 dias para elaboração da proposta. O prazo poderá ser prorrogado conforme a necessidade do GT.

             O Conselho também aprovou a inclusão no público do Programa Primeira Infância no SUAS as famílias com gestantes e crianças na primeira infância, em situação de vulnerabilidade e risco pessoal e social, inseridos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – Cadúnico e no Benefício de Prestação Continuada – BPC promovendo alterações nas Resoluções nº 19, de 24 de novembro de 2016; nº 20, de 24 de novembro de 2016 e nº 7, de 22 de maio de 2017.

      “Aprovamos  a ampliação de metas para os municípios que fizeram a adesão ao Programa Criança Feliz – Primeira Infância no SUAS, com o objetivo de atender a demanda dos municípios pequenos que receberam o recurso, mas não estavam conseguindo atingir as metas do público do Bolsa Família, com esta expansão eles poderão incluir o público do CadÚnico e atender de fato a população  mais vulnerável destes municípios.” Explicou a presidente do CNAS, Norma Carvalho.

         Os conselheiros também discutiram sobre a realização da 12ª Conferência  Nacional de Assistência Social, de caráter extraordinário, todos afirmaram a importância da realização da Conferência e decidiram levar a discussão para Reunião Trimestral com os Conselhos Estaduais da Assistência Social e o Conselho de Assistência Social do Distrito Federal, a ser realizada no dia 11 de março em Brasília.

      Foram aprovadas mais duas Resoluções uma que dispõe sobre a aprovação do Relatório Final da Execução Orçamentária e Financeira do Fundo Nacional de Assistência Social (FNAS), exercício de 2018 e a outra aprova ações e estratégias para oferta de apoio técnico para gestores e técnicos do Sistema Único de Assistência Social – SUAS. Todas as normativas serão publicadas em breve no Diário Oficial da União.

Anúncios

Balanço de Gestão e Atendimentos aos Venezuelanos são debatidos no CNAS

46094802885_b24b437b82_bCerca de 25,12% dos beneficiários do BPC ainda não efetuaram o cadastramento no CadÚnico. Portaria do MDS determinou regras de notificação e eventuais bloqueios por lotes de acordo com o período de aniversário do beneficiário

 

       Mais de 20 mil atendimentos sociais foram realizados na fronteira brasileira com a Venezuela, na cidade de Pacaraima em Roraima, os dados foram apresentados na quarta-feira,6, durante a 272ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Assistência Social pelo Ministério da Cidadania – MC. O trabalho na fronteira brasileira tem sido realizado pelo governo federal com a ajuda do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados – ACNUR, Organização Internacional de Migração – OIM e outras organizações.

          De acordo com o Ministério após a regularização dos imigrantes no país é proposto a sua interiorização, os estados que mais receberam os venezuelanos foram São Paulo e o Rio Grande do Sul. Durante a reunião também foi informado sobre o livro “Pátria Amada Gentil” que retrata a chegada à fronteira, acolhida nos abrigos e interiorização dos imigrantes.

             No período da tarde de ontem também foi realizado a apresentação do Balanço de Gestão pela Secretária Nacional de Assistência Social – SNAS, Carminha Brant. Foram apresentados os trabalhos realizados pela gestão a luz do II Plano Decenal.

      “Foi bom ver a prestação de contas em especial a comparação dos planos decenais, o anterior e o atual, o que nos mostra o quanto temos avançado e este é o momento não só deste Conselho, mas de todos que atuam na defesa do SUAS nos debruçar no acompanhamento do plano decenal em andamento para que possamos avançar ainda mais na política.” Afirmou Irene Rodrigues, conselheira da Sociedade Civil no CNAS.

              Também foi informado pela Secretária Nacional sobre os dados dos beneficiários do Benefício de Prestação Continuada – BPC que ainda não efetivaram a inscrição no Cadastro Único – CadÚnico até 19 de janeiro de 2019, cerca de 25,12% dos beneficiários.

             A Secretária ressaltou a importância dos beneficiários se atentarem para Portaria MDS nº 2.651/2018 que estabeleceu procedimento relativos a não inscrição dos beneficiários no CadÚnico. A portaria determinou regras de notificação e eventuais bloqueios por lotes de acordo com o período de aniversário do beneficiário. As suspensões dos benefícios que não realizaram o cadastramento conforme cronograma abaixo iniciarão em abril.

Lote Período de aniversário do beneficiário Competência inicial da suspensão
01/01 a 31/03 Abril de 2019
01/04 a 30/06 Julho de 2019
01/07 a 30/09 Outubro de 2019
01/10 a 31/12 Janeiro de 2020

 

Livro Pátria Amada Brasil disponível no link:

http://www.youblisher.com/p/2018548-Patria-Mae-Gentil

   Sistema de Justiça no SUAS e Revisão da Resolução 237 são alguns dos temas das Comissões temáticas do CNAS

     46941625472_1bd037e8d4_b As Comissões Temáticas do Conselho Nacional de Assistência Social estão reunidas nesta terça-feira,5, em Brasília.  A Comissão de Política da Assistência Social discutiu sobre o Sistema de Justiça no Sistema Único da Assistência Social – SUAS. Foi convidada para contribuir na discussão a Ex-Secretária Nacional de Assistência Social, Denise Colin, atualmente Diretora do Departamento de Planejamento e Gestão do Ministério Público do Paraná. Os conselheiros e a convidada falaram sobre a importância de construir um diálogo com o Sistema Judiciário para que as medidas de proteção sejam pensadas conjuntamente para atendimentos mais eficazes aos usuários.

       Também foram definidas algumas estratégias para esse trabalho conjunto do SUAS com a Justiça. Os encaminhamentos serão apreciados na Plenária do CNAS, durante a 272ª Reunião Ordinária, na quarta-feira, 7, conforme pauta divulgada pelo Conselho.

      As Comissões de Normas – CN e de Acompanhamento aos Conselhos – CAC se reuniram separadamente no período da manhã, a CN tratou sobre a apresentação do relatório sobre o processo de Certificação das Entidades de Assistência Social de 2018 (trimestral e anual), pelo Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS e a CAC definiu os responsáveis e prazos para as ações do seu  Plano de Ação. As duas Comissões farão uma reunião conjunta no período da tarde para a revisão da Resolução CNAS 237/2006, a normativa define diretrizes para a estruturação, reformulação e funcionamento dos Conselhos de Assistência Social.

       Na Comissão de Financiamento e Orçamento da Assistência Social continuam as discussões sobre a Lei Orçamentária Anual – LOA 2019 e houve a apresentação do Relatório Final de Execução Orçamentária e Financeira do exercício 2018 pelo Fundo Nacional de Assistência Social – FNAS. Na quarta-feira o assunto será levado para apreciação da plenária, assim como  o relato do debate sobre a revisão da Resolução 237.

      A pauta do CNAS é proposta pela Presidência Ampliada, aprovada na plenária do mês anterior e publicada no Diário Oficial da União com 5 (cinco) dias de antecedência à realização da reunião ordinária.  Em casos de urgência ou de relevância, a Plenária do CNAS poderá durante a reunião alterar a sua pauta.

A pauta completa está disponível no site do CNAS: www.mds.gov.br/cnas

 

CNAS institui Grupo de Trabalho Povos Indígenas

      Grupo de Trabalho para discutir os atendimentos socioassistenciais para população indígena  foi criado pelo Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS. A composição do grupo publicado no Diário Oficial da União – D.O.U por meio da Resolução CNAS nº 1/2019 conta com 3 conselheiros do governo e 3 da Sociedade Civil.

     A primeira reunião do GT acontecerá na próxima semana na sexta – feira, 8, ocasião em que será escolhido o coordenador do Grupo entre os seus membros.

     Os conselheiros terão o prazo de 90 dias para discutir os assuntos referente a população indígena com o objetivo de contribuir no acompanhamento e avaliação da gestão dos recursos e os impactos sociais e o desempenho das ações da Rede de Serviços Socioassistenciais para essa população. O período de vigência do GT pode ser prorrogado conforme a necessidade de mais prazo para os debates sobre o tema.

Saiba mais:

Clique aqui e confira Resolução CNAS nº 1/2019

Clique aqui e confirma pauta completa da 272ª Reunião Ordinária do CNAS

 

 

 

Primeira Reunião do CNAS em 2019 acontecerá na próxima semana

O Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS se reunirá na próxima semana para a sua 272ª Reunião Ordinária. Será a primeira reunião do Conselho Nacional neste ano, que contará já no dia 4 com a reunião da Comissão de Acompanhamento de Benefícios e Transferência de Renda, com a apresentação dos resultados obtidos após a publicação da Portaria nº 2.651/2018  que trata sobre o Benefício de Prestação Continuada – BPC, cujos os beneficiários não realizaram inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – CadÚnico até 31 de dezembro de 2018.

A plenária, onde todos os conselheiros nacionais, representantes da sociedade civil e governo, estarão reunidos para debater os assuntos dos relatos das Comissões e outros temas pautados, acontecerá nos dias 6 e 7 de fevereiro. As Comissões permanentes (Acompanhamento aos Conselhos, Financiamento, Normas e Política) estarão reunidas no dia 5.

Na sexta-feira, 8, será a reunião do GT Povos Indígenas, Grupo de Trabalho criado para acompanhar e avaliar a gestão dos recursos, os impactos sociais e o desempenho das ações da Rede de Serviços de Proteção Social Básica, nas comunidades indígenas.

A pauta completa está disponível no site do CNAS: (www.mds.gov.br/cnas).

 

 

 

Prontuário Eletrônico do SUAS está disponível para utilização dos profissionais do SUAS

   Disponibilizado prontuário eletrônico para preenchimento pelos profissionais do Sistema Único da Assistência Social – SUAS como um instrumento nacional padronizado visando qualificar o trabalho realizado com os usuários no âmbito do Serviço de Acolhimento. Nesse momento o sistema permitirá a inserção de informações específicas do público crianças e adolescentes – coleta de informações sobre a identificação, motivo de acolhimento e situação jurídica das crianças e adolescentes que estão em medida protetiva nos serviços de acolhimento do SUAS no Brasil.

 O sistema foi lançado em dezembro e está disponível no link: http://aplicacoes.mds.gov.br/prontuario/

     De acordo com a Secretaria Nacional de Assistência Social – SNAS o prontuário SUAS prevê para o futuro a produção e novos blocos que comtemplem os outros serviços da rede socioassistencial, previstos na Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais.

     Até o presente momento já foram disponibilizadas as versões físicas e eletrônicas do Prontuário SUAS – Centro de Referência da Assistência Social – CRAS e Centro de Referência Especializada da Assistência Social – CREAS e Prontuário SUAS – Acolhimento Criança e Adolescentes.

 Mais informações em: http://blog.mds.gov.br/redesuas/vigilancia-socioassistencial/prontuario-suas/

Em caso de dúvida, comunique-se pelo e-mail: prontuariosuas@mds.gov.br

Disponível novo cronograma para cadastramento de beneficiários do BPC não inscritos no Cadastro Único

Aqueles que não se registrarem até 31 de dezembro de 2018 serão notificados durante 2019, de acordo com a data de aniversário. Benefício não será suspenso em janeiro.

 

As pessoas que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e que não se inscreverem no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal até 31 de dezembro deste ano serão notificadas em quatro lotes trimestrais ao longo de 2019, de acordo com o mês de aniversário do beneficiário. O processo está regulamentado pela Portaria MDS nº 2.651, de 18 de dezembro de 2018, publicada em 19 de dezembro.

Segundo a norma, os beneficiários ainda não incluídos na base de dados serão avisados preferencialmente por meio de extrato bancário – Demonstrativo de Crédito de Benefício (DCB) – e poderão receber cartas com aviso de recebimento (AR) no endereço informado ao Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Essa notificação se refere apenas à falta de identificação de inclusão do beneficiário no Cadastro Único, sendo a manutenção do critério de renda tratado em processo à parte. As mensagens contidas na notificação trarão a data limite para cadastramento.

Os beneficiários serão notificados de maneira escalonada. Aqueles que fazem aniversário nos meses de janeiro, fevereiro e março (primeiro lote) serão notificados no começo de janeiro e podem realizar sua inscrição no Cadastro Único até o final do mês de março, sem que haja prejuízo no pagamento do benefício. Os beneficiários que receberem a notificação e não se inscreverem no prazo estabelecido terão o benefício suspenso a partir de abril.

Veja o quadro abaixo com todo o cronograma para 2019:

Lote  Período de aniversário do beneficiário   Data limite  para emissão  da  notificação  Competência inicial
da suspensão
Período máximo do bloqueio de que trata o art. 4º
01/01 a 31/03 31/12/2018 Abril de 2019 01/05/2019 a 30/05/2019
01/04 a 30/06 31/03/2019 Julho de 2019 01/08/2019 a 30/08/2019
01/07 a 30/09 30/06/2019 Outubro 2019 01/11/2019 a 30/11/2019
01/10 a 31/12 30/09/2019  Janeiro de 2020 01/02/2020 a 01/03/2020

De acordo com o cronograma e as novas regras, os beneficiários que tiverem o BPC suspenso poderão solicitar ao INSS a reativação do benefício assim que a inscrição no Cadastro Único for identificada. Nesse caso, o beneficiário receberá o valor referente ao período de suspensão.

É importante que as gestões municipais se organizem com base nesse cronograma para mobilizar os não inscritos e evitar grande demanda ao final dos lotes. Para isso, a partir de janeiro de 2019, Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) disponibilizará no Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SigPBF) e no Registro Mensal de Atendimento (RMA) as listagens de beneficiários não inscritos com a identificação do lote. O cadastro deve ser realizado pelo Responsável pela Unidade Familiar (RF) da família ao qual o beneficiário está vinculado, caso ele não seja o próprio RF.

O valor do benefício será bloqueado por até 30 dias quando inexistir comprovação da ciência da notificação enviada por meio da rede bancária ou por carta com aviso de recebimento. Nesse caso, o beneficiário ou o seu representante legal deverá entrar em contato com INSS pelo telefone 135 para tomar ciência quanto à não inscrição no Cadastro Único e solicitar que o benefício seja desbloqueado, sendo a reativação do pagamento imediata. Nesta ocasião, o INSS informará ao interessado o novo prazo para efetivação do Cadastro Único. A Central de tele atendimento do INSS 135 estará preparada a esclarecer aos cidadãos sobre o processo a partir do dia 1º de janeiro.

A Portaria 2.651/2018 também prevê os casos em que não é possível realizar o Cadastro Único. Os beneficiários menores de 16 (dezesseis) anos ou pessoas interditadas total ou parcialmente que:

I – estejam internadas em hospital ou se encontrem em serviço de acolhimento há 12 (doze) meses ou mais; ou
II – não possuam família de referência, nos termos do art. 2º da Portaria MDS nº 177, de 20 de junho de 2011.

No caso de pessoas maiores de 16 anos incapazes que possuam representante legal, mesmo que vivam sozinhas ou estejam internadas em hospital ou se encontrem em serviço de acolhimento há 12 meses ou mais, o cadastramento poderá ser realizado pelo representante legal em nome do beneficiário do BPC.

É importante que as gestões nos municípios e nos Estados acionem as entidades para proceder o cadastramento daqueles que possuam representante legal ou preencham o Formulário de Impossibilidade de Inclusão ou Atualização no Cadastro Único, conforme a Instrução Operacional Conjunta SENARC/SNAS nº 24, de 8 de março de 2017, reeditada em 6/9/2018, que deve ser atualizada em breve para incorporar as alterações dispostas na Portaria MDS nº 2.651/2018.

Busca ativa de beneficiários do BPC

Nos próximos dias serão disponibilizadas novas listagens de beneficiários do BPC (tanto idosos como pessoas com deficiência) que devem ser incluídos no Cadastro Único. As novas listas são resultado do cruzamento entre as bases da folha de pagamento do BPC de outubro e do Cadastro Único de novembro/2018.

A partir de novembro de 2018, passou a ser disponibilizado no SIGPBF uma lista complementar para as gestões de municípios que possuem beneficiários do BPC cujo local de pagamento é no seu território, mas o endereço de residência registrado no INSS é em outro município.

Portanto, estão disponíveis duas listas no SIGPBF:

•    Lista de beneficiários do BPC para inclusão no Cadastro Único que residem no seu município. Nome padrão do arquivo: “UF_NOMEMUNICIPIO_CODIGOIBGE_BPC_ INCLUSAO_2018.csv”
•    Lista de beneficiários do BPC para inclusão no Cadastro Único que residem em outro município, mas cujo local de pagamento é no seu município. Nome padrão do arquivo: “UF_NOMEMUNICIPIO_CODIGOIBGE_BPC_PAGAMENTO_2018.csv”

Como os dados de endereço da base do INSS pode estar desatualizada, com essas informações complementares, a gestão municipal terá informações de beneficiários que podem estar sacando o BPC no seu território, o que possivelmente indica que eles também residem e devem ser cadastrados no seu município.

Listas para coordenações estaduais

Para auxiliar as gestões municipais na busca de beneficiários do BPC, as coordenações estaduais do Cadastro Único passaram a receber listas nominais de beneficiários do BPC não cadastrados que possuem divergência entre o município informado na base do INSS e o município do local de pagamento do benefício. A partir dessa informação, as coordenações estaduais poderão prestar apoio qualificado para articular ações de cadastramento entre diferentes gestões municipais ou mesmo coordenações estaduais.

Relembre a trajetória da inclusão dos beneficiários do BPC no Cadastro Único

Antes da publicação do Decreto 8.805/2016, que instituiu a obrigatoriedade de requerentes e beneficiários do BPC estarem inscritos no Cadastro Único, o MDS já vinha orientando as gestões nos municípios e nos Estados a cadastrarem beneficiários que recebem o BPC em seus territórios. Em 2010, ainda sem caráter compulsório, o ministério publicou uma portaria específica sobre o assunto com a finalidade de acompanhar o beneficiário, delinear o perfil socioeconômico das famílias de beneficiários e ampliar o acesso aos demais programas que usam o Cadastro Único. Esses objetivos foram refletidos no Pacto de Aprimoramento do SUAS (2014-2017), com estabelecimento de metas para cadastrar os beneficiários por porte do município. Além disso, o II Plano Decenal da Assistência Social (2016-2026) também prevê como objetivo estratégico a garantia da inclusão dos beneficiários do BPC no Cadastro Único, de modo a potencializar a integração entre acesso à renda, serviços e direitos.

Ações de comunicação

O MDS continua com a campanha nacional para inclusão dos beneficiários do BPC até o fim deste ano. A ação inclui inserções em rádio e televisão, peças publicitárias em mobiliário urbano nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador e distribuição de cartazes a todos os Centros de Referência da Assistência Social (Cras). Essa é mais uma ação de comunicação para mobilizar gestores e beneficiários.

Ações anteriores incluíram a produção do vídeo “A importância do Cadastro Único para o beneficiário do BPC”, distribuídos aos equipamentos da assistência social para sensibilização de beneficiários e gestores; mobilização social com ligações diretas e envio de mensagens para beneficiários, gestores e influenciadores; mensagens nos demonstrativos de crédito bancário; inserções ao vivo em rádios comunitárias; envio de ofícios a entidades registradas no Cadastro Nacional de Entidades da Assistência Social; disponibilização de modelos de cartazes para as gestões imprimirem com o recurso do IGD-Suas; e “Guia para técnicos e gestores da assistência social sobre alterações nas regras de operacionalização do BPC”.

 

Ascom/MDS

CNAS discute corte orçamentários e perspectivas da PNAS com os Conselhos Estaduais e Municipais

     O Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS realizou esta semana, nos dias 11 e 12 de dezembro, a Reunião Descentralizada e Ampliada do CNAS em Recife/PE. A reunião teve como tema central o Orçamento da Assistência Social e o corte orçamentário previsto no Projeto de Lei Orçamentária Anual – PLOA 2019. O Conselho Nacional levou a discussão para o âmbito dos municípios e Estados, com o objetivo de dialogar com os demais Entes sobre os impactos do corte na Assistência Social e as perspectivas da Política Pública de Assistência Social em face à nova conjuntura nacional.

     No último dia foram realizadas 6 oficinas no período da manhã, e no período da tarde aconteceu o debate com a síntese das discussões e encaminhamentos das oficinas. Os temas abordados foram: Oficina 1: Benefício de Prestação Continua – BPC, Oficina 2: CadÚNICO , Oficina 3: Desafios do Orçamento da Assistência Social,  Oficina 4: Gestão do Trabalho, Oficina 5: Benefícios Eventuais e Oficina 6: Controle Social.

    Na segunda – feira, dia 10, foi realizada a Reunião Trimestral do Conselho Nacional com os Conselhos Estaduais de Assistência Social e o CAS/DF, a reunião  contou com a representação da maioria dos Estados. Na Trimestral os participantes definiram uma agenda comum para os Conselhos de Assistência Social para 2019.

     Hoje, 13, está sendo realizada 271ª Reunião   Ordinária do CNAS também em Recife das 9h às 17h. A próxima reunião ordinária do CNAS está agendada para fevereiro de 2019.

Confira apresentações realizadas nas reuniões, clique aqui.

LOAS completa 25 anos

Aniversario-LOAS-corrigida    Hoje,7, a Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS comemora 25 anos da sua promulgação. Dia Nacional de celebração pelas conquistas da Assistência Social  que conta com mais de vinte seis mil equipamentos públicos que integram o Sistema Único de Assistência Social – SUAS, para atender a população.  Em 2017, o Centro de Referência da Assistência Social, um dos principais equipamentos do SUAS,  fez 21 milhões de atendimentos.

      A LOAS, regulamentando a Constituição Federal, garantiu que a Assistência Social mudasse do patamar assistencialista para o da  Assistência Social como Política Pública de Estado, que não necessita de contribuição previdenciária, uma política estabelecida em Lei e ao alcance das pessoas que dela necessitam.

      A Lei estabelece também a participação social por meio dos Conselhos de Assistência Social, órgãos  superiores de deliberação colegiada com representação paritária entre governo e sociedade civil, criados com papel de exercer o controle social.  Os conselhos atuam nos três entes federados, fazendo com que, de fato, essa política seja discutida em todas as esferas do país.

    A participação social é reconhecida como um dos fatores mais importantes dos Conselhos e a Lei Orgânica garantiu uma participação efetiva quando estabeleceu que os Conselhos devem ser compostos pela Sociedade Civil, dentre representantes dos Trabalhadores, Usuários e Entidades.

     A presidente do CNAS, Norma Carvalho, afirmou a importância da Lei e as barreiras que ainda precisam ser superadas. “ Em 25 anos conquistamos a garantia de  muitos direitos e os desafios para manter estes direitos tem se ampliado a cada dia, mas confiamos que juntos vamos superar as dificuldades e fortalecer   a assistência social.”

Cartilha SUAS  Modo de Usar

    O CNAS elaborou a Cartilha SUAS Modo de Usar especialmente para os Usuários do SUAS com linguagem clara e objetiva. A cartilha traz informações sobre os direitos dos usuários  e tem como objetivo informar, mobilizar e incentivar a participação dos usuários  na Política  e no SUAS. A Cartilha também está disponível em braile para garantir acessibilidade a uma parcela da população de aproximadamente 6 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência visual.

Conheça o teor da Carta enviada à Equipe de Transição Presidencial assinada por Conselhos Nacionais

A Carta aprovada pelos Conselhos Nacionais é divulgada pelo Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS nesta quinta-feira, 6. O CNAS foi um dos conselhos que assinou a carta com manifestação conjunta em defesa da Democracia Participativa e dos Direitos Humanos, o documento foi encaminhado para a equipe de transição do Presidente eleito.

 O documento foi aprovado durante reunião conjunta da Sociedade Civil dos Conselhos Nacionais de Políticas Públicas no dia 27 de novembro em Brasília/DF. Na carta os Conselheiros/as da sociedade civil afirmam a importância da participação e controle social previsto na Constituição Federal entre os direitos fundamentais.

 “ Essa carta é muito importante, pois reafirma a relevância dos espaços de controle social, como o caso dos conselhos de direito, eles devem ser respeitados e fortalecidos sempre, é por meio desses espaços que construímos políticas públicas de qualidade junto com toda sociedade, a divulgação desse documento é de suma importância ”. Afirmou a presidente do CNAS, Norma Carvalho.

A decisão de realizar a entrega da carta aos presidenciáveis  surgiu na plenária do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA realizada em Agosto deste ano com a presença do CNAS. O debate ocorreu durante a discussão sobre: “Conjuntura das políticas públicas de segurança alimentar e nutricional, assistência social e saúde: o papel da participação e do controle social”.

Confira carta completa no link: https://goo.gl/wDwsYM