Abertura da Reunião Descentralizada e Ampliada do CNAS reúne mais de 500 pessoas em Brasília

DSC09888

DSC09886Com a presença de mais de 500 participantes, entre conselheiros, gestores, trabalhadores e usuários do Sistema Único da Assistência Social (Suas) foi aberta hoje a Reunião Descentralizada e Ampliada do CNAS em Brasília, com o tema A Atual Condição do Controle Social do Suas, que prossegue até amanhã com painéis e debates temáticos. Trata-se da última reunião descentralizada e ampliada da gestão 2012-2014 do CNAS, sob o comando da presidente Luziele Tapajós e vice-presidente Leila Pizatto.

A abertura da reunião foi feita pela presidente do CNAS, Luziele Tapajós, que deu as boas vindas a todos os participantes e falou sobre a importância do controle social para a garantia dos direitos sociais do cidadão. A cerimônia contou com a presença da Ministra de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello e do Secretário de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda do DF, Oswaldo Russo, e da presidente do Conselho de Assistência Social do DF, Edijanes Rosa Araújo, anfitriões do evento, já que as reuniões descentralizadas e ampliadas são organizadas pelo conselho de assistência social que sedia o evento.

Além dessas autoridades, a mesa de abertura teve ainda a presença da vice-presidente do CNAS, Leila Pizzato; da Secretária Nacional Adjunta de Assistência Social, Valéria Goneli; da representante do Fonseas (Fórum Nacional de Secretários (as) de Assistência Social, Maria das Graças Prola; da representante do Congemas ( Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social), Lúcia Marquim.

A presidente do CAS-DF, Edijanes Araújo, comentou o fato de ser a primeira usuária de um programa de transferência de renda a se sentar em uma mesa de autoridades, como presidente de um Conselho de Assistência Social . E destacou seu desejo e sua esperança de que a presença de usuários em foros de decisão torne-se uma regra, e não uma exceção.

O secretário Oswaldo Russo falou da importância que os usuários tenham voz para que se efetive o controle social. “Os gestores têm voz pelo cargo, os trabalhadores a tem por meio dos sindicatos, os usuários também têm que ter voz, daí a importância das organizações de usuários”.

A ministra Tereza Campello comemorou o fortalecimento das instâncias de fiscalização e controle e afirmou que a paridade entre governo e sociedade civil nos conselhos leva a um equilíbrio que fortalece o Suas, sobretudo pela diferença de posições, que leva a um “exercício tensionado”, no qual a democracia se fortalece.

Anúncios